quarta-feira, 18 de setembro de 2013

DIGNÍSSIMO CANALHA



Pelo presente instrumento, venho dirigir-me a vossa excelência. Com minúsculas e na segunda pessoa, pessoa de segunda que és, mauricinho de nariz empertigado. Tu, que te ocultas, sorrateiro, por trás dessa impecável e pretíssima toga funesta. Tu que recebes aprumado a reverência do povo de joelhos à espera de tuas soberanas e irretocáveis decisões peremptórias. Tu que estás imbuído da divina prerrogativa, intransferível e vitalícia, de deliberar sobre o destino dos homens que habitam o mun­do dos vivos, já que o dos mortos foge à tua jurisdição, instância suprema à do teu supre­mo (embora nutras anseios em manter paridade e equiparação divina com Aquele que exerce tal competência). Tu que reclamas indignado por direitos inalienáveis e vives na intimidade inescrutável de tua vida pri­vada de práticas inconfessáveis. Tu mesmo, nobre calhorda, que de tanto exercer o ofício de julgar os outros, passaste a te julgar acima dos outros.
Venho oficiar-te, honorável patife, que encontro mais retidão e honra na palavra espontânea e honesta que brota do coração de um humilde homem iletrado do povo que no alfarrábio que sustém tuas áridas, infindáveis, mirabolantes e ordinárias sentenças ordinárias. As mesmas que apões em papel pergaminho com letras douradas, fazendo-as constar dos anais onde exibes tua soberba grandiloquência farisaica e tua rocambo­lesca sapiência estéril.
Sem qualquer constrangimento, amealhas recursos subtraídos do povo injustiçado para manter intacto esse intrincado e indecifrável sistema, tão inócuo quanto iníquo, que qualificas cinicamente de Justiça, a fim de cobrir com aura de magnificência e infalibilidade essa espeta­culosa e suntuosa pantomima patética e embusteira que estarrece as legiões dos sem-justiça desse país, mantidas sob o jugo do teu julgar.
Cultivaste esse interminável cipoal de leis, decretos, normas, códigos, tratados, regimentos, resoluções, regula­mentações, pareceres, dispositivos e medidas provisórias, para reservares a ti próprio o monopólio do conhecimento e das práticas a ti outorgadas tautologicamente “por lei”, afastando o povaréu inculto de teu demarcado territó­rio. Para que, na mesma medida em que amplias a doutrina do direito, reduzas o primado da justiça.
A chave de tua inoperância chama-se prazo. Conside­raste, eminente pulha, que, após décadas de espera, a sentença já foi proferida, independente do transitado em julgado? Abstrais, emérito canalha, a variável tempo sob pre­sunção de que o tempo é uma mera ‘questão de tempo’. Adias, protelas, procrastinas, prorrogas, retardas, demoras, protrais, diferes, pospões, alongas, espichas, espacejas, alastras, esticas, dilatas, intervalas, encompridas, acresces, amplias, expandes, empurras com a barriga. Pois, então, devo informar-te, distinto safardana, que quem aguarda por anos, seja nutrindo a raiva da privação de benesses não fruídas, seja gozando do deleite de penas não cumpridas, já é repositório da sentença, seja esta qual for. Em meio a tantos réus, jurados e testemunhas, apenas um deve ser declarado culpado em todas as instâncias: tu, criatura ignóbil.
Sai da tocaia, egrégio velhaco. Desce desse palácio de letras, capítulos, parágrafos, alíneas, incisos, caputs e cláusulas em que te enclausuras. Cumpre salientar, excelentíssimo pústula, que as cruas ruas, inobserváveis das janelas do palácio que ergueste (sem decurso de prazo) para te isolares da re­alidade de fato e de direito, estão repletas de malfeitores que levianamente livrastes das masmorras. Não por um senti­mento benevolente de perdão ou por uma crença abnegada no poder de recuperação humana. Mas por um ardilosa e oblíqua interpretação das normas vigentes. Delinquentes de toda a es­pécie a quem remiste da pena, hoje libertos de punição, zombam, sob tua retumbante indiferença, dos tolos que se pautam em princípios e honradez.
Vivem os justos à margem das formalidades legais que usas para agrilhoar os cidadãos, a fim de emparelhares todos pelo mesmo nível de calhordice de que imaginas serem, por na­tureza, dotados. Por certo, espelhando tua maneira de te com­portar e de enxergares os homens para necessitarem de tua mediadora e interesseira presença.
Sob o manto do teu venerável ‘estado de direito’, corruptos, patifes, ladrões de todas as espécies ascendem aos postos de direção com a tua serena condescendência. Mais: com a tua cruel cumplicidade. São estes que tratas com a máxima leniência, amparando-os com a força irrefutável das brechas da lei, aplicando-lhes impiedosamente draconiana indulgência e into­lerância zero. Cobrindo a impunidade com o manto legalista da imu­nidade.
De quem é a culpa? “Dos legisladores, do governo, da polícia, da falta de juízes, da falta de vagas no sistema prisional, da falta de investimento, da má distribuição da renda, do desemprego, da falta de políticas públicas, dos baixos salários, da alta dos juros, do neoliberalismo, da crise do euro, da colonização portuguesa, da gripe suína, do derretimento das calotas polares”, bradas indignado. Tu, homo vermis, és o único triplamente qualificado como “not guilty” nessa história. Justo tu! “Por falta de provas”, provas.
Todo teu empenho é de não punir. Inocentes ou culpa­dos, pouco importa. ‘In dubio pro reo’, desde que teus honorá­rios sejam quitados com correção, exatidão, integri­dade e... justiça.
E assim, pelos mais variados pretextos, vais libertan­do das grades todos os poderosos, reservando os horrores dos calabouços aos despossuídos que não participam do pecúlio que sustenta a devassidão moral que apadrinhas e consagra esse país como o paraíso da impunidade.
Deixa de hipocrisia. A quem pretendes enganar dizen­do que és a fonte da Justiça? Teu ofício é apenas advogar em prol de vermes, devolvendo­-lhes em serviços pérfidos o vil metal que banca o suntuoso padrão de vida que ostentas. A verdadeira justiça é o oposto de ti. É tornar o mundo mais digno, as pessoas olhando-se de frente, sem dissimulações, com confiança mútua. Prescindindo de teus sórdidos préstimos.
Justiça seja feita: quem te sustenta, respeitável biltre, são apenas os safados. Crápulas que, dispensando nobres considerações éticas, estudam teus intrincados preceitos e se formam doutores para assimilar os meios legais, penais, constitucionais e amorais de permanecer impunes e qualificarem-se a ingressar em tuas ro­dinhas infames. Partilharem do papo do cafezinho do fórum. Onde, restritas às indevassáveis paredes que os protegem, ro­lam torpezas inimagináveis. Tornam-se teus amigos e cupinchas. Uma corporação fechada de rábulas parasitas. Justamente!
Os princípios de retidão e civilidade, trazemo-los dentro de nós. Num mundo de justos, tua justiça não se ajusta. Gente honrada entende-se entre si, sem necessitar da tua protocolar intermediação. Bastam os princípios. Quem carece de lei são os que dela vivem à margem. Se para os honrados, é des­necessária e para os bandidos, ineficaz, para os da escória que integras, é verba no bolso.
Data vênia, ilustríssimo, vai pra p* que te pariu.




18 comentários:

Higino V Macedo disse...

Meu prezado...
eu sugeriria outro título para teu feliz e corajoso texto: que tal

FILHADAPUTÍSSIMO MINISTRO
Higino

Anônimo disse...

Acho que há um erro no primeiro parágrafo quando dizes "cordeiro em pele d'urso" acho que querias dizer o contrário. O resto está irretocável. Parabéns

Myrinha disse...

Prezado Sergio Sayeg,

Irretocável...simplesmente I R R E T O C Á V E L .
Você disse tudo que todos os homens e mulheres íntegros e de brio,deste país, gostariam de gritar para esse ministro (sim com minúsculas letras, por falta de terem diminutíssimas).

Peço vênia, ops! nenhuma alusão as rôtas vênias abusivamente usadas por esse ministro, mas sim respeitosa licença para copiar o seu artigo e divulgá-los entre meus contatos e no meu Blog http://mmyrinha.blogspot.com.br/p/artigos_6.html

Uma peça da mais alta relevância como essa precisa ser compartilhada com o povo brasileiro.
Em sendo assim ousarei, também, divulgar no meu Facebook.

Aceite os meus efusivos aplausos de pé .
Vc lavou, ensaboou, alvejou, enxaguou e centrifugou a alma de muitos brasileiros que, como eu, não conseguiram expressar com tamanha clareza e veemência tudo aquilo que está atravessado na nossa garganta.

PARABÉNS !
grande abraço,
Myrinha
Vitória/ES

Andrea Cristine disse...

Faço minhas tuas palavras, não poderiam ser mais verdadeiras, tamanha minha indignação frente a um país que é o próprio bordel do diabo.

Regis Feldmann disse...

Prezado Sérgio;

Simplesmente direto ao destinatário. Parabéns pelo texto e inteligente forma de expressar a mágoa de todos nós. Fomos traídos por todos os poderes desta pobre e podre república sindical.

R.Feldmann

Anônimo disse...

Olá, Sérgio:

Como transcrito em alguns concorridos blogs, essa foi para o decano, SEM VASELINA. MERECIDAMENTE.

abrs.

Pentefino

Anônimo disse...

Cerramos fileira com seus comentários que, apesar do "mocinho" morrer de riso se acaso chegasse às suas mãos.
Anote amigo, um dia a casa vai cair...

Alberto Couto Filho disse...

Ah! Sim, entendi.
Rima com fulano, ciclano, beltrano, pelicano - acertei?
...A casa...quando cair...terei ido.

figbatera disse...

Tudo bem, tudo certo; indignar-se é preciso. Mas é tb preciso dirigir-se às pessoas certas. Pelo que entendi esse protesto é sobre os tais "embargos" e dirigido a apenas um ministro, quando foram 6(seis) os aplicaram a lei.
Além disso, quem pode e deve fazer e/ou alterar as normais é o LEGISLATIVO, ou seja, o Congresso Nacional, que teve a oportunidade de acabar com tais embargos (projeto apresentado em 1998) e não o fez. Então, como agora protestar por causa de uma decisão colegiada que apenas cumpriu o que está determinado na Lei?
Você gastou muita lábia mas não atingiu o alvo certo...

Anônimo disse...

A visão democrática exigia que naquele momento decisivo, o placar considerado fosse 5 X 2 ao invés dos 5 X 5, em face dos 3 infiltrados com cartas marcadas. O voto minerva, portanto, se democrático, teria que anular tais criminosas infiltrações e votar de forma contrária, independentemente até, do mérito.
Tal contexto tornou o discurso de 2 horas, patético e desligado de premissa prevalente.

Manu33 disse...

Texto oportuno e lúcido.
Sugiro apenas, adequar a frase final, para que o destinatário não perca o caminho :
"Data vênia, VÁS pro quinto dos infernos".
(Preservando a segunda pessoa ...)

Lúcia disse...

Sem palavras!Parabenizo e assino...apenas...

Anônimo disse...

Deveria ser mais divulgada essa obra prima nos principais jornais do País. Eu aqui adorei rachei de rir e de refletir...Muito bom

Anônimo disse...


Prezado Higino V Macedo,

esta errado "FILHADAPUTÍSSIMO
MINISTRO". Se ministro é masculino a mãe dele é que paga o pato, embora ele, que recebe e merece o elogio, seja bem filho dela.

Seria então: FILHODAPUTISSIMA

Anônimo disse...

PEÇO A DEUS QUE ILUMINE NOS, POVO BRASILEIRO, LIVRANDO NOS DE TODOS OS MALES.

Maria José Nia disse...

Parabéns!!! Expressou a nossa "justiça" ou melhor injustiça totalmente cega ao povo honesto e de bem do nosso amado Brasil no sentido propriamente dito da palavra!

Eduardo Gebara disse...

Juízes, cuidem da "vossa" classe. "Vocês" estão cada vez mais fragilizados no tênue pilar que os sustenta. Não sejam ingênuos em pensar que é o cargo que os sustenta.
O que os sustenta no poder é a "vossa" dignidade, ainda que pálida.
Não creio que haja poder maior que o poder de um povo enfurecido. Esse poderá agir no exercício arbitrário das próprias razões, indistintamente, antes que “vocês” possam reconstruir a dignidade da "vossa" classe.
Eduardo Gebara

Anônimo disse...

você é petista, só pode!