terça-feira, 15 de maio de 2018

CONSELHOS DE UM APOSENTADO






A presente crônica é endereçada aos jovens que, incitados por seu pubescente frescor, ensaiam os primordiais e titubeantes passos no sentido de erigir uma promitente vida adulta.

Empenhar-me-ei em transmitir-lhes algumas prudentes recomendações no intuito de abalizar suas vindouras deliberações na tortuosa e lancinante demanda pelos caminhos exitosos da realização, em meio às incertezas de um futuro inquietante.

Valho-me da experiência acumulada por 19 anos, período em que me embrenhei com afinco na formação acadêmica, agregados aos 36 anos devotados ao benemerente mister na área pública. Acima de ambições pessoais e considerações de ordem pecuniária, pautei minha atuação pelo diligente provimento de serviços à nossa desabastada população. Outrossim, ministrei aulas em faculdades, ocasião em que pude familiarizar-me com as atribulações que o discente afronta como parte da tenaz refrega para afirmar sua vocação.

Faço meus os cintilantes termos incrustados no encômio proferido pelo eminente Ruy Barbosa: “Estou-vos abrindo o livro da minha vida. Se me não quiserdes aceitar como expressão fiel da realidade (...), recebei-a, ao menos, como ato de fé, ou como conselho de pai a filhos, quando não como o testamento de uma carreira, que poderá ter discrepado, muitas vezes, do bem, mas sempre o evangelizou com entusiasmo, o procurou com fervor, e o adorou com sinceridade.”

As inspiradas e eloquentes palavras exaradas pelo mestre soteropolitano ajustam-se com precisão ao objetivo que ora me mobiliza, o de fazer valer os triunfos e os tropeços que entremea­ram minha trajetória de labuta, para moldar um padrão de conduta para que as gerações que se predisporão a assumir atribuições de responsabilidade e comando, possam exercê-las imbuídas de sapiência e destreza, esquivando-se dos percalços em que amiúde incorre o efebo idealista.

Hoje, consumidos 65 anos de jornada, fragmentados entre estudo e labor, encontro-me afinal aposentado. Pretendo fruir da porção remanescente dessa causticante existência, ao lado de minha adorável esposa, escudado pela meritória tranquilidade que me foi obsequiada pela benfazeja injunção de fortuitas circunstâncias, benesse a que presumo modestamente fazer jus.

Nessa condição, voluntario-me a emprestar o pouco de discernimento e acuidade crítica que me foi permitido absorver no decorrer dessa caminhada, atestados pela condição precária acometida pelos emergentes cabelos brancos que co­meçam a disputar a ascendência em meio aos exíguos fios que afrontam minha inexorável calvície.

Aquilatado com tal grau de proficiência, aventuro-me pois a proferir uma exortação definitiva aos diletos púberes da nação: Jovem! Você, que entrevê à frente um extenso e penoso cami­nho; que nutre profusos devaneios e esperanças concernentes aos caprichos que o destino lhe reserva; que ainda não deliberou com perspicuidade o rumo a trilhar, estando possivelmente claudicante acerca dos desafios avultados pelo primeiro emprego. Meu conselho é:

MANDE TUDO À MERDA!

É isso aí! Não espere chegar à minha idade para descobrir que foi desavergonhadamente usado por um sistema sacana que, após sugar sua energia, descarta-o, na expectativa de que você bata com as botas de vez para parar de dar despesa para a previdência. Ou vá para um asilo apodrecer pois você não serve mesmo mais pra bosta nenhuma.

O sistema toma os melhores anos da vida. E a grana que te dão em troca, tomam de volta, ao criar uma porção de necessidades artificiais para que você torre em carrões e apartamentos repletos de equipamentos inúteis e caros que o tornarão um burguesão sedentário, fútil e medíocre, componente dessa engrenagem cruel que destrói o pla­neta, divide as pessoas e relega bilhões a um estado de penúria.

Ao ingressar na escola, você se torna vítima de um processo de lavagem cerebral em que é ensinado a ‘ter responsabilidades’ e a assumir obrigações. Desde cedo, os caras já querem moldá-lo como no filme The Wall, do Pink Floyd. Qual a finalidade dessa penitência? Aprender o abomi­nável alfabeto, decorar a chatérrima tabuada e por aí vai...

Ao invés de se brincar com os amigos, fica engaiolado entre as quatro paredes de uma sala de aula, sem poder conversar ou rir. A professora, aquela tia mal amada, revolucionária e de cabeça feita que você nunca viu e nem sa­be que apito toca, é que vai inculcar em seus miolos o que ela julga ser bom pra você. É assim que te afastam do mundo das diversões que tanto gostava e para onde a vida e sua natureza te impeliam.

Tem que madrugar para ir ao colégio, onde mestres arrogantes te entopem de tarefas e te obrigam a ler livros pentelhos que provocam tédio, mas caem na porra do vestibular e no ENEM. Deve ficar quase todo o tempo na penitenc... digo, instituição de ensino para permanecer afastado dos pais que não passam de “caretas” que nada de útil podem lhe oferecer, mesmo que te amem pra cacete. Por isso, te aprisionam na escola, como se fosse um reformatório para marginais, como castigo por ter vocação para alienado. E para te isolar da ameaçadora realidade.

Se quiser aproveitar sua curta jornada nesse planeta, faça o que seu coração diz que é o melhor para você. Senão, quando ficar velho, você vai sentir uma sensação de vazio, não vai ver significado em sua vida e vai lamentar o quanto deixou de fazer por obedecer cegamente aos outros e não saber questionar as regras sem sentido que lhe foram impostas. Não se iluda. Você está sendo manipulado por vermes que ainda recitam palavras de virtude e honradez. Só quando a gente cresce e fica esperto, percebe o embuste por trás disso. Pois nesse mundo não vence o mais dedicado, honrado. Esse recebe um pé na bunda. Quem vence são os ególatras, os sem caráter, os que corrompem e desviam grana. E ainda querem te passar lições de moral... Canalhas!

E não repita o erro da minha geração de acreditar que a política vai conser­tar o que há de errado. Saiu a corja de milicos, entrou a gangue dos políticos. Corrupção, violência, impunidade. Nunca acredite em político de partido nenhum. Esses são os maiores safados que existem sobre a face da Terra. Os de direita são reacionários, repressores. Os de esquerda, hipócritas e manipuladores.  E ainda têm o descaramento de vir pedir seu voto... Muitos jo­vens da minha geração quebraram a cara, enfrentando uma ditadura repressiva para dar um futuro melhor para esse país. Fomos massa de manobra, dando a cara pra levar porrada. Todo esse sacrifício para abrir espaço pra uma nova leva de crápulas.

Faça diferente! Sua maior vingança será aproveitar a vida a despeito do que eles querem que você faça. E se te chamarem de louco, entoe: “mais louco é quem me diz e não é feliz”.

Dê ao mundo bastante amor e solidariedade e cresça sem precisar dar rasteira em ninguém. Ame as pessoas, os animais e a natureza e prove que esses pequenos gestos são o que verdadeiramente importa nessa vida. Não dê ouvidos a conselhos, ideologias e papo furado dos mais velhos, representantes de uma geração inepta e frustrada que tornou o mundo essa bosta que aí está.

Agora tire essa bunda da cadeira e faça alguma coisa. Mas faça a coisa certa! Ou você acha ficar grudado no celular trocando ideias vazias no facebook vai melhorar alguma coisa?

O velho Barbosão que eu citei acima também estava desiludido com os babacas do seu tempo:

‘De tanto ver triunfar as nulidades,
de tanto ver prosperar a desonra,
de tanto ver crescer a injustiça,
de tanto ver agigantarem-se os poderes
nas mãos dos maus,
o homem chega a desanimar da virtude,
a rir-se da honra,
a ter vergonha de ser honesto’

Falou! Acabou a lição! Agora, vê se faz algo de bom, seu jacu. Ou então, vá à merda. Fim.




Adaptado de texto do livro O QUE DE MIM SOU EU.


quarta-feira, 25 de abril de 2018

ENTREVISTA EXCLUSIVA COM LULA NA PRISÃO



- Boa tarde, Lula.
- Quem é você?
- Meu nome é Sérgio.
- Moro? Até aqui dentro você me persegue.
- Não, não, Lula. Sou cronista e tenho um blog. Gostaria se possível se você me desse umas palavrinhas com exclusividade.
- Claro, companheiro! É bom conversar com alguém, já tô de saco cheio de ficar assistindo TV. Os fdp´s ainda deixam ligado na Globo o dia todo, tão de sacanagem. Minha vingança será maligna. Mas, o que você manda?
- Como estão as coisas por aqui?
- O que você acha? Fico o tempo todo olhando para essas paredes. Já fiz até amizade com uma barata. O carcereiro é eleitor do Álvaro Dias e fica me zoando o tempo todo. Me deixaram uns livros pra ler, só merda (ele mostra algumas revistas Veja antigas - uma com o Moro na capa -, “O Pequeno Príncipe”, “Brida”, “Harry Potter e o Prisioneiro de Azkaban”, “Justin Bieber, a Biografia” e “A Cozinha Rápida de Ana Maria Braga”).  O Suplicy me mandou uns grossos de capa dura. São ótimos para usar como halteres. Mas logo logo vou ter companhia aqui na cela. Parece que vem um tal de Azeredo...
- E a comida, presidente?
- Bom, não posso me queixar. Arroz e feijão todo o dia, um bifinho e uns verdinhos. Vem meio fria mas é melhor do que os churrascos de gato que tinha de comer nas reuniões do MST. Você não quer dar uma palavrinha com o Moro pra liberar uma cervejinha? Aqui não dá pra dirigir mesmo.
- Acho que não dá, presidente. Mudando de assunto, muita gente estava acampada aqui perto em solidariedade.
- Fiquei emocionado. Mas foi bom eles saírem. Não conseguia nem descansar direito. Ficavam tocando música sertaneja o dia inteiro. Agradeço pela solidariedade, mas podiam acampar em frente à casa do Moro e levar uns alto falantes mais potentes. Tenho certeza que ele ia voltar atrás na burrada que fez.
- Mas e o apartamento, de fato não era seu?
- Claro que não! Essa OAS só me f(*)u. Eu tinha pedido pra eles só um flatzinho na Praia Grande. O que eles acham que eu ia fazer com um triplex no Guarujá ainda mais na Praia das Astúrias. Ainda se fosse na Praia das Baleias... Mas deixa pra lá, vamos mudar de assunto. O que falam nos jornais? Muita gente tá pedindo a minha saída daqui?
- Sim, presidente. Além de todo o pessoal do PT, PCdoB e PSOL, vi muitos pediram sua libertação: Roberto Requião, Ciro Gomes,  José Sarney, Renan Calheiros, Delfim Neto, até Fernando Henrique Cardoso.
- Puta merda, tô lascado! Com esses amigos, quem precisa de inimigo, haha. Os caras querem me queimar pra 2022.
- Já pensando na próxima eleição?
- Claro, precisamos pensar em novas alianças. Já mandei sondarem o Bolsonaro para vice.
- Bolsonaro??? Ele não é o anti-Lula?
- Pra ter governabilidade, precisamos de um amplo leque de apoio. Gilmar Mendes será nosso ministro da Justiça pra amansar esses dogues da Polícia Federal. Quando pedi autonomia pros caras é para prenderem bandido de direita.  Os caras perderam o rumo. Renan será nosso homem forte no Senado, um cara fiel.
- Mas e o PT? A Gleisi...
- A Gleisi é aguerrida mas muito estourada. Temos um bom cargo pra ela: a embaixada de Caracas.
- Será que o Maduro resiste até lá?
- Claro, é um bom menino, muito esperto. Aprendeu direitinho como fazer as coisas para ficar no poder mais 50 anos. Aqui fizemos tudo errado. Demos milho pro cavalo errado.  Bom, agora me dá licença que eu preciso tirar uma sesta.
- Obrigado, presidente. Espero nos encontrarmos em melhores circunstâncias.
- Nem me fale! Não vejo a hora de voltar pro meu sítio em Atib... digo São Bernardo. Abraço.



quinta-feira, 19 de abril de 2018

DEPOIMENTO DE UM VICIADO



O depoimento abaixo sobre minha própria experiência foi escrito para alertar pais que se preocupam com os hábitos de seus filhos no que diz respeito às DROGAS.
Procurem conversar sempre com os jovens para verificar seu comportamento na escola e junto aos amigos, identificar más influências ou saber o que ocorre quando ficam fora de casa.
É preocupante a tolerância de muitas escolas que não impedem a disseminação e até a venda de drogas em suas dependências. Em festas, ‘raves’ e baladas, sua presença entre os adolescentes é comum.
A constante ingestão de substâncias químicas em altas doses pode provocar danos irreversíveis ao organismo. Cabe aos pais detectar o surgimento de tais problemas. Está provado que drogas podem gerar no indivíduo um desequilíbrio orgânico, acarretando uma série de distúrbios físicos e mentais e deixando-o vulnerável a doenças.
O consumo de drogas decorre quase que invariavelmente da falta de cuidado e de acompanhamento dos pais. Os adultos devem jogar o peso de sua experiência na orientação de seus filhos e assumir a responsabilidade pelas consequências àqueles que deles dependem, sobretudo os de menor idade.
Que minha vivência pessoal sirva de contribuição a pais e educadores em sua tarefa de orientar nossos jovens, mostrando-lhes sempre o caminho correto a seguir.
Segue meu depoimento:
-
Sou escravo do vício. Se fico sem “ela” durante um dia inteiro, começo a perceber uma sensação esquisita, uma carência no organismo. Não funciono direito, não consigo pensar nem me concentrar. A vida fica meio vazia, faltando alguma coisa. Nos últimos anos, meu consumo tem aumentado, a ponto de, nos últimos tempos, eu simplesmente não agüentar ficar um dia inteiro sem a dita cuja.
Sempre tenho à mão certa quantidade. Deixo a casa abastecida para não ter o risco de faltar quando vier a vontade. É comum eu levantar no meio da noite com desejos incontroláveis. Aí vou, pé ante pé, para não acordar ninguém, até a cozinha, meu local habitual de consumo, para poder dirimir meu incontrolável desejo.
O problema é quando viajo. Nem sempre dá para carregar um pacotinho comigo. Fora de casa, por não conseguir comprar e por não ter lugar apropriado para guardar, chego a ter crises de abstinência. É frequente acordar durante a noite com necessidade de ingerir a ‘mardita’. Aí vem a irritação e o desespero: DROGA!
Quando vou para o exterior, então, a situação torna-se trágica. Já começa pelo risco carregá-la no avião. Há formulários de preenchimento obrigatório que deixam clara a restrição ao porte. Baseado nesta declaração, estaria cometendo crime se a transportasse. Se descobrirem na bagagem algum pacote escondido, não teria como explicar o que aquilo fazia comigo. Se pegarem na alfândega, nem posso imaginar as consequências.
Tanto nos EUA quanto na Europa, é bem complicado consegui-la, pois o consumo não é tão difundido como no Brasil. Tem-se que sair procurando pelas ruas afastadas de centros comerciais, hotéis etc.
Quando viajo em grupo, as pessoas ficam incomodadas quando sacam minha preocupação. Olham-me de um jeito esquisito. Têm um estereótipo de gente como eu. Já nem ligo, estou acostumado. Tenho consciência de que se trata de um vício menor, aceitável. O fato é que não consigo curtir o ambiente se não estiver abastecido. Fico na minha. Não tô nem aí com o que os outros acham ou deixam de achar. Ninguém tem nada com isso. Tô fora de drogas pesadas, bebidas alcoólicas e nicotina. É o que me basta.
Viajando, descobri que, em nenhum lugar do mundo, meu ‘xodozinho’ é tão farto e fácil de conseguir quanto no Brasil. Esse país é uma maravilha para quem curte a danada. Plantam até no quintal. Os ambulantes comercializam-na abertamente, sem muita repressão.  O governo finge que não vê, acaba tolerando a venda como um mal menor, desde que em lugares de pouca circulação, onde não haja muita fiscalização. Já vi até, acredite, venderem em lanchonetes de escolas e em postos em rodovias.
Quando fico ausente por vários dias, não vejo a hora de voltar e fazer a festa com o que tinha em estoque. Para tirar o atraso, refestelo-me com grande quantidade de uma só vez, saciando a carência acumulada. A sensação de senti-la descendo pelo organismo, devagar, me põe em estado de euforia.
Não sei quando começou minha dependência. Quando eu era criança, detestava. Foi minha mãe quem me ensinou a apreciar. Ela era também bastante chegada ‘numazinha’ e me forçava a ingerir após as refeições. Quando bebê, ela me punha na língua, até que eu aprendesse a consumi-la sozinho.
Meu filho também não gosta muito. Quando ele era ‘menorzinho’, ainda dava uns ‘tapinhas’. Agora, adolescente, largou quase por completo.
É tudo uma questão de hábito. Acabei por tornar-me fissurado e não tenho a menor intenção de largar esse vício. Para mim, só faz bem. Não tenho qualquer constrangimento em declarar minha dependência e até de fazer propaganda. Acho que todos deveriam experimentar, especialmente os mais jovens que não têm o hábito.
No início, gostava só de algumas, como melancia, uva, banana. Depois, o vício começou a piorar e as costumeiras já não me satisfaziam. Passei a incorporar o consumo de outras tais como maçã, pêra, mamão. Até as mais extravagantes como acerola, lichia, kiwi, nêspera, atemoia, graviola. Isso para não falar das secas, tais como amêndoa, noz, castanha, damasco, tâmara. Recentemente, aderi às desidratadas que demoram para estragar e são uma delícia.
Abro a geladeira e nem sei por onde começar a me esbaldar: melão, caqui, figo, manga, ameixa, laranja, lima da pérsia, pinha, goiaba, pêssego, carambola, jabuticaba. É um delírio. Pode ser batida no liquidificador com leite ou água. À tarde é o horário mais gostoso para se fartar com essas delícias.
Tem gente que prefere suco de latinha, garrafa ou embalagem de papelão. Eu acho abominável, pois o gosto é claramente artificial. Há aditivos, corantes e conservantes que desfiguram o sabor verdadeiro. Em polpa, ainda admito. Mas o mais gostoso e saudável é in natura mesmo, adquirida fresquinha na feira.
Vivemos num paraíso tropical e nem valorizamos. Em que outro lugar, você pode pedir uma vitamina sem que lhe tragam uma pílula?
À exceção de sexo, tem coisa melhor na qual ficar viciado? Deliciosa, barata, saudável, nutritiva e sem contra-indicações. Mamãe tinha razão. Fruta é o que há.
Por isso, meu amigo e minha amiga, se seus filhos estiverem, em casa, na escola ou em shoppings, consumindo DROGAS como hot-dogs, salgadinhos, refrigerantes, energéticos, biscoitos recheados e outras porcarias industrializadas cheias de substâncias químicas que provocam problemas de saúde e obesidade, tenha uma conversa franca e orientadora com eles para que mudem seus hábitos alimentares. Um dia eles lhes agradecerão.


Adaptado de texto do livro O QUE DE MIM SOU EU